Caracas vai investigar Cubillas por treinar membros do ETA na Venezuela

As autoridades da Venezuela investigarão se Arturo Cubillas treinou membros do ETA neste país, disse o chanceler Nicolás Maduro a seu colega espanhol, Miguel Angel Moratinos, indicou nesta quarta-feira uma fonte do Ministério espanhol de Assuntos Exteriores.

O governo venezuelano vai "abrir uma investigação" sobre Cubillas e também investigará o conteúdo do auto de um juiz espanhol enviado na terça-feira pela chancelaria espanhola à venezuelana, segundo a fonte.

No auto, o juiz indica que dois supostos membros do ETA detidos na semana passada confessaram ter recebido cursos de formação na Venezuela em 2008.

Horas antes, Moratinos havia pedido ao embaixador venezuelano em Madri, Isaías Rodríguez, "uma cooperação mais intensa e ações concretas e específicas em relação ao senhor Cubillas", declarou a vice-presidente primeira do governo, María Teresa Fernández de la Vega.

Um juiz espanhol enviou em março à Venezuela uma ordem de detenção contra Cubillas, que ocupa um alto cargo no Ministério da Agricultura venezuelano e que, segundo o magistrado, era "o responsável pelo grupo ETA nessa região da América desde 1999" e encarregado de "coordenar as relações com as Farc" e "a participação de integrantes do ETA em cursinhos de explosivos".