Lugo descarta hipótese de se afastar do governo do Paraguai para tratar câncer

      SÃO PAULO - O presidente do Paraguai, Fernando Lugo, descartou hoje a hipótese de pedir permissão constitucional para ficar temporariamente afastado do governo a fim de se dedicar ao tratamento para a cura de câncer linfático. Em entrevista concedida em São Paulo, Lugo afirmou que se prepara para deixar amanhã o Hospital Sírio-Libanês, onde está internado há três dias. As informações são da Presidência da República do Paraguai.

Lugo disse que assim que chegar a Assunção amanhã vai “recuperar” o atraso causado pelos dias de internação hospitalar. Ele agendou reuniões com os ministros e assessores. "Vou encontrar com alguns ministros que estão a par dos assuntos para discutirmos”, disse.

Lugo ressaltou ainda que uma das suas prioridades é saldar a dívida social pendente no Paraguai. Segundo ele, o ideal é que ocorra uma parceria entre partidos políticos, órgãos do governo e parlamentares na tentativa de solucionar as principais pendências no país. “É a única maneira de responder a essa dívida”, afirmou.

O presidente está internado no Sírio-Libanês desde sábado, quando foi transferido de um hospital paraguaio para São Paulo em decorrência do agravamento do estado de saúde dele. Lugo apresentou um quadro infeccioso e suspeitas de que estava com trombose. Mas hoje ele disse que essa possibilidade foi eliminada.

Lugo se submete a sessões de quimioterapia desde agosto. Ele já se submeteu a três sessões e faltam mais três. O presidente tenta manter o ritmo de trabalho, mas reduziu a agenda política e diminuiu o número de eventos públicos de que participa.