Espanha vai exigir cooperação da Venezuela na questão do ETA

      MADRI -  O governo da Espanha vai exigir a cooperação da Venezuela no caso da suposta presença de membros da organização separatista armada basca ETA neste país, anunciou a primeira vice-presidente do governo, María Teresa Fernández de la Vega. "Nós vamos exigir esta cooperação, mas esta cooperação aconteceu outras vezes também. Temos que trabalhar para que esta cooperação se traduza em fatos concretos, cumprindo as resoluções judiciais", declarou María Teresa à rádio Cope.

O governo socialista de José Luis Rodríguez Zapatero informou na segunda-feira que pediria informações a Caracas. A justiça espanhola afirmou que dois membros do ETA detidos na semana passada no país confessaram durante um interrogatório que foram treinados na Venezuela em 2008.

Um dos instrutores seria Arturo Cubillas, espanhol que é apontado como membro do ETA, residente na Venezuela e com nacionalidade venezuelana. Cubillas é o representante do ETA na América Latina desde 1999 e coordenador das relações entre o grupo e as Farc, assim como pelo treinamento dos etarras, segundo a justiça espanhola.

Ele teve a prisão determinada por juiz espanhol em março por suspeita de colaboração e tentativa de assassinato na Espanha de personalidades colombianas.

A primeira vice-presidente explicou, no entanto, que o governo espanhol não pensa em uma ruptura diplomática com a Venezuela.