EUA rebatem acusações de Chávez e Morales por rebelião no Equador

 

WASHINGTON - A acusação dos presidentes da Venezuela e da Bolívia, Hugo Chávez e Evo Morales, de que os Estados Unidos estavam por trás da rebelião policial no Equador não têm valor, afirmou um porta-voz do Departamento de Estado.

"Isto carece de valor", afirmou o porta-voz do Departamento para a América Latina, Charles Luoma-Overstreet.

Tanto Hugo Chávez como Evo Morales acusaram durante o fim de semana Washington de estar por trás da rebelião da polícia contra o presidente equatoriano, Rafael Correa, no dia 30 de setembro, e que resultou em atos de violência que deixaram 10 mortos.

Chávez acusou Washington de utilizar "o velho expediente dos golpes de Estado contra governos que não se subordinan", enquanto Morales afirmou que os Estados Unidos atuaram em quatro tentativas de golpes de Estado na América Latina desde 2002, a última no Equador.

"Os Estados Unidos, como outras nações no continente e em outras regiões, lamentou os distúrbios, expressou o total respaldo às instituições democráticas do Equador e ao presidente Correa e defendeu o diálogo dos equatorianos", destacou Luoma-Overstreet.