Lugo chega a hospital Sírio-Libanês após emergência médica

O presidente do Paraguai, Fernando Lugo, ingressou neste sábado no hospital Sírio-Libanês, em São Paulo, onde será submetido a um tratamento de emergência diante de uma complicação em sua terapia de quimioterapia contra um câncer, constatou um jornalista da AFP.

O presidente paraguaio, que padece de um câncer linfático, chegou no fim da tarde ao hospital acompanhado de uma numerosa comitiva distribuída em vários veículos e que incluía seu médico pessoal, Alfredo Boccia. Lugo entrou no hospital em uma cadeira de rodas.

Pouco antes, o porta-voz presidencial, Augusto dos Santos, tinha dito à AFP por telefone que o traslado de urgência de Lugo para São Paulo "deveu-se a uma contingência de saúde, uma formação no pescoço que tem relação com o oncológico (...) por sua baixa defesa".

De acordo com o porta-voz, no entanto, "não se trata de um nódulo" cancerígeno.

Lugo estava hospitalizado em uma clínica em Assunção para se recuperar de uma infecção na boca, mas seu quadro agravou-se, e o corpo médico responsável por seus cuidados decidiu transportá-lo urgentemente ao hospital em São Paulo onde realiza seu tratamento contra o câncer.

o entanto, neste sábado, nem os médicos que acompanham Lugo nem os profissionais do hospital deram declarações. Nas visitas anteriores de Lugo ao hospital, a única comunicação existente foram os boletins médicos.

Em seu diálogo com a AFP, Santos afirmou que Lugo será submetido a exames e possivelmente iniciará um tratamento de drenagem do problema em seu pescoço. Completou que a previsão inicial é que o presidente paraguaio permanecerá no hospital até o fim da próxima semana.

Há uma semana Lugo tinha deixado este hospital para retornar a Assunção depois de ter sido submetido a uma sessão de quimioterapia, a terceira recebida desde que recebeu o diagnóstico de câncer, há um mês e meio.