Chavistas vencem eleições, mas não obtêm maioria absoluta na Venezuela

     CARACAS - O Partido Socialista Unido da Venezuela (Psuv), do presidente Hugo Chávez, conquistou a maioria das vagas do Parlamento nas eleições realizadas neste domingo. O Psuv, no entanto, não deve conquistar a maioria absoluta dos vagas, obtendo algo em torno de 100 assentos na Casa. Os dados ainda são preliminares.

Se confirmado, esse resultado pode representar uma vitória para a oposição, organizada na coalizão da Mesa de la Unidade Democrática (MUD). Não obtendo a maioria das cadeiras, segundo informa o jornal espanhol El País, os oposicionistas obteriam um número suficiente de cadeiras no parlamento para dificultar a aprovação de leis propostas pela liderança governamental do Psuv.

As eleições foram realizadas com bastante tranquilidade no domingo. O clima mudou quando, na entrada da noite, a Comissão Nacional Eleitoral (CNE), responsável pela divulgação dos resultados, não cumpriu com o prazo prometido para a entrega dos resultados preliminares, gerando críticas dos oposicionistas.

Rodeado de vários candidatos opositores, o secretário da MUD, Ramón Guillermo Aveledo, ressaltou que o primeiro boletim de resultados do pleito fora prometido pelo Poder Eleitoral para duas horas depois da conclusão do processo, mas que, depois de transcorridas seis horas, nenhum dado havia sido divulgado.

Dezenas de jornalistas e funcionários esperam na sede do Conselho Nacional Eleitoral (CNE) o anúncio dos resultados da rodada de votação. "Estamos esperando para cumprir a lei venezuelana, que dita que só depois que o CNE oferecer o primeiro boletim os partidos políticos podem e pronunciar", acrescentou Aveledo em declarações à imprensa.

Os colégios eleitorais venezuelanos fecharam oficialmente às 18h (19h30 no horário de Brasília). O CNE habilitou 12.436 centros eleitorais em todo o país, com um total de 36.563 mesas, para mais de 17,5 milhões de eleitores poderem eleger os 165 assentos da Assembleia Nacional.

As eleições foram comemoradas pelo presidente Hugo Chávez, que festejou a alta participação, acreditando na "voz do povo" para manter sua ampla maioria no Congresso. "Hoje não é apenas um dia de eleições na Venezuela (...) Este povo está dando uma lição (...) O povo está falando e estou certo de que a voz do povo será ouvida".

Chávez exaltou a mobilização dos eleitores, cuja participação, segundo ele próprio, superou os 70%. Ele lembrou que antes de chegar ao poder, em 1998, a abstenção podia chegar a 80%, já que "os pobres não votavam". "Aqui o povo não acreditava em política. A revolução bolivariana recuperou um nível alto de credibilidade e o povo está amadurecendo".

Eleito pela primeira vez em 1998 e candidato a um terceiro mandato em 2012, Chávez desafiou neste domingo a oposição ao convocar um referendo para tirá-lo do poder. "É estranho que alguns analistas digam que estou balançando e sem apoio popular. Então convoquem um revogatório (...) Busquem as assinaturas no lugar de esperar que Chávez parta em um raio". A Assembleia Nacional é dominada desde 2005 pelas lideranças associadas a Chávez.