Netanyahu pede a Abbas que mantenha diálogo

JERUSALÉM - O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, apelou neste domingo (26) ao presidente da Autoridade Palestina, Mahmud Abbas, para que continue com as negociações de paz visando "um acordo histórico".

A declaração do líder israelense foi feita logo após o fim da moratória sobre a colonização na Cisjordânia ocupada.

"Faço um apelo ao presidente Abbas para que siga participando das negociações boas e honestas que acabamos de lançar para tentar conseguir um acordo de paz histórico entre nossos dois povos", disse Benjamin Netanyahu.

O líder israelense resistiu às intensas pressões dos Estados Unidos e da comunidade internacional exigindo a manutenção da moratória sobre novas construções judaicas na Cisjordânia.

Abbas reafirmou na noite deste domingo, em Paris, que as negociações de paz serão uma "perda de tempo" se Israel retomar a colonização nos territórios ocupados.

"Se Israel não prorrogar a moratória sobre a colonização, o processo de paz será uma perda de tempo", declarou Abbas ao final de um encontro com representantes da comunidade judaica da França.

A moratória sobre novas construções na Cisjordânia expirou às 24H00 local deste domingo (19H00 Brasília) e colonos israelenses já assentaram, simbolicamente, a base de um prédio na colônia de Kiryat Netafim, no norte da Cisjordânia.

David Axelrod, principal conselheiro do presidente americano, Barack Obama, disse que os Estados Unidos "seguirão encorajando, encorajando, e pressionando durante toda a jornada para obter uma resolução" sobre a questão da colonização.

O porta-voz do departamento americano de Estado, Philip Crowley, informou que a secretária de Estado, Hillary Clinton, está em contato com o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, e com o ex-premier britânico Tony Blair, representante do Quarteto para o Oriente Médio (EUA, União Europeia, Rússia e ONU) para tentar salvar o diálogo.

"Seguimos pressionando para que as conversações continuem", disse Crowley.