Japão liberta capitão de barco pesqueiro chinês

     TÓQUIO -  O capitão de um barco de pesca chinês, cuja detenção pela Marinha japonesa no dia 7 de setembro provocou uma grave crise diplomática entre China e Japão, foi liberado nesta sexta-feira e será repatriado a seu país, anunciou a emissora de televisão pública japonesa NHK. O capitão foi solto às 15h (3h de Brasília), e deve viajar imediatamente para a China, segundo informações da NHK. Ele foi preso há mais de duas semanas, quando a Marinha japonesa capturou sua embarcação perto de um pequeno arquipélago no Mar da China oriental, chamado de Senkaku pelos japoneses e de Diaoyu pelos chineses.



China, Japão e Taiwan reivindicam a soberania das pequenas ilhas, cujas águas podem conter importantes jazidas de hidrocarbonetos. Desde 7 de setembro, Pequim solicitou várias vezes a libertação do capitão, ameaçando tomar medidas de represália contra Tóquio, na mais grave crise diplomática entre os dois países desde 2006.



Depois do anúncio da libertação, o ministério das Relações Exteriores chinês reagiu reafirmando que a prisão foi ilegal. "Reitero que os chamados procedimentos legais adotados pelo Japão contra o capitão do pesqueiro chinês foram ilegais e nulos", declarou em um comunicado Jiang Yu, porta-voz da chancelaria chinesa. "O governo chinês enviará um avião para trazer de volta o capitão Zhan Qixiong, que foi detido ilegalmente pelo Japão", informou.