Comunidade internacional teme possível desmembramento violento do Sudão

NOVA YORK - O atraso nos dois referendos que podem provocar o desmembramento violento do Sudão, o maior país da África, gera muita preocupação na comunidade internacional. Os temores de que o sul do Sudão rico em petróleo possa decidir uma separação unilateral do norte caso as votações não aconteçam a tempo, o que possivelmente provocaria um novo conflito, serão manifestados na Assembleia Geral da ONU em Nova York, onde o presidente americano Barack Obama e outros líderes participarão em uma reunião especial sobre o tema na sexta-feira. A secretária de Estado, Hillary Clinton, definiu o Sudão como "uma bomba relógio" e o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, afirmou que o país é uma de suas prioridades. No dia 9 de janeiro de 2011 o país deve organizar votações sobre a livre determinação do sul do Sudão e na pequena região de Abyei, localizada no centro do país, sobre o que seria a linha divisória norte-sul. As eleições são parte do acordo de paz de 2005, que acabou com duas décadas de guerra civil no sul, um conflito que deixou dois milhões de mortos. Mas fontes diplomáticas e funcionários da ONU informaram que os preparativos para os referendos estão muito atrasados.