Bolívia e Venezuela na "lista negra" do narcotráfico dos EUA

WASHINGTON - O governo dos Estados Unidos voltou a incluir Bolívia, Venezuela e Mianmar na lista de países que não colaboram na luta contra o narcotráfico, mas no caso dos latinoamericanos foram descartadas sanções. "O apoio contínuo aos programas bilaterais na Bolívia e os programas limitados na Venezuela são vitais para os interesses nacionais dos Estados Unidos", afirma o presidente Barack Obama em um memorando sobre "grandes produtores ou países de trânsito do narcotráfico" que a Casa Branca divulga anualmente. Segundo a lei, o memorando deve ser enviado ao Congresso para que os representantes e senadores determinem ao longo do ano a política de colaboração antinarcóticos com estes países. A Venezuela foi incluída em 2007 na lista, integrada por 12 países, e a Bolívia em 2008. O presidente boliviano, Evo Morales, já havia reagido na quinta-feira ao relatório. Ele reclamou de critérios políticos de Washington. La Paz interrompeu a colaboração com a Agência de Combate às Drogas (DEA) americana em 2008.