Bento XVI inicia amanhã visita ao Reino Unido

Agência AFP

LONDRES - Bento XVI começa nesta quinta-feira a primeira visita ao Reino Unido, e seu principal objetivo é acalmar as tensões que ainda subsistem entre as igrejas católica e anglicana, cinco séculos depois do cisma de Henrique VIII.

As relações ecumênicas com o anglicanismo e com outras igrejas cristãs presentes em território britânico serão o tema principal desta histórica visita de quatro dias - organizada, paradoxalmente, em torno da beatificação de John Henry Newman (1801-1890), um dos mais famosos convertidos do anglicanismo ao catolicismo.

Vários grupos também pretendem denunciar posturas da Igreja que consideram intolerantes em âmbitos tão diversos quanto a ordenação de mulheres, homossexualidade, aborto e o custo da visita para o contribuinte inglês.

E a hostilidade em relação ao Pontífice poderá aumentar depois das novas revelações dos últimos dias na Bélgica sobre o escândalo dos abusos sexuais por parte do clero que sacudiu a Igreja católica, especialmente a vizinha e católica Irlanda.

Pela primeira vez na história, um pontífice visitará o arcebispo de Canterbury. O atual, Rowan Williams, é líder espiritual de 70 milhões de anglicanos em todo o mundo. Bento XVI o visitará em Lambeth Palace, sua residência oficial de Londres.

Na sexta-feira, os dois terão um encontro privado, antes de receber uma representação de bispos das duas igrejas. Vincent Nichols, presidente da conferência episcopal da Inglaterra e País de Gales, considera a iniciativa "um momento explícito de diálogo e simbolismo".

No mesmo dia, o papa pronunciará um discurso para líderes da sociedade civil em Westminster Hall, prédio mais antigo do Parlamento inglês - onde, em 1535, São Thomas More, lord chanceler de Henrique VIII, foi acusado de alta traição por se opor aos planos do monarca de se tornar chefe supremo da Igreja na Inglaterra.

Acompanhado do arcebispo de Canterbury, Bento XVI rezará também no túmulo de Santo Eduardo, o Confessor, na Abadia de Westminster, fundada no século XI, antes das divisões da reforma.

"Espero que esta cerimônia, que é o maior evento ecumênico da visita do papa, seja uma oportunidade para avançar na relação entre cristãos e para conduzirmos um caminho de reconciliação e unidade da Igreja", declarou o reverendo John Hall, reitor da célebre abadia anglicana londrina.

"Não acho que devamos pensar em termos de rivalidade entre as igrejas, não estamos contando números. Acho que temos uma associação", acrescentou.

As diferenças entre as igrejas ficarão mais evidentes do que nunca quando o pontífice for recebido na abadia de Westminster por sua sacerdote, Jane Hedges, reverenda e uma das principais cabeças por trás da campanha anglicana a favor da consagração de mulheres bispos.

Este tema e a abertura religiosa à homossexualidade foram responsáveis pelas mais recentes fricções entre as duas igrejas, e alguns anglicanos ainda não digeriram o texto promulgado por Bento XVI no fim de 2009 para facilitar a conversão de bispos e sacerdotes contrários à evolução de sua própria igreja em várias frentes.

Mas tanto autoridades católicas britânicas quanto especialistas negam que um dos propósitos da visita do papa seja angariar fiéis, quase 30 anos depois que João Paulo II pisou em solo britânico para uma visita pastoral.

Entre anglicanos e católicos, a viagem é vista como "um momento de convite ou uma tentativa de atrair as pessoas da Igreja católica para a anglicana", estimou Vincent Nichols, lembrando que há 25 milhões de anglicanos no Reino Unido, contra apenas cinco milhões de católicos.

Andrea Tornielli, vaticanista do jornal italiano Il Giornale, concorda que "a Igreja católica não tem vontade de se lançar em uma campanha de aquisições", e que o grande debate atualmente não é entre as duas igrejas, e sim no seio da igreja anglicana, que "não é um bloco".