Espanha é o país que mais pagou resgates à Al-Qaeda

Agência AFP

MADRI - A Espanha é o país que mais gastou dinheiro para libertar seus cidadãos capturados pelo grupo da Al-Qaeda no Magreb Islâmico (AQMI), entregando um total de oito milhões de euros, informa nesta segunda-feira o jornal El Mundo, baseando-se em cifras de um assessor do governo argelino.

As autoridades espanholas jamais reconheceram ter pagado resgates para obter a libertação de seus cidadãos.

Em segundo lugar está a Itália, que aparentemente gastou 3,6 milhões por seus reféns, e em terceiro, a Áustria, que desembolsou 2,5 milhões de euros.

Por outro lado, a França, cujo cidadão Michel Germaneau, refém da AQMI, morreu em julho, não pagou resgate algum, assim como a Grã-Bretanha, cujo cidadão, Edwin Dyer, foi decapitado pela AQMI em junho de 2009, segundo as cifras fornecidas pelo assessor argelino.