Imã de Nova York diz que mesquita no Marco Zero ajudará a paz

Agência AFP

NOVA YORK - O imã que defende a ideia da construção de um centro islâmico em Nova York disse que não teria planejado como local da obra a área do ''marco zero'', o cenário dos atentados terroristas de 11 de setembro de 2001, se soubesse da dor que seria gerada pelo projeto.

"Se soubesse que isto aconteceria, que provocaria este tipo de dor, não teria feito", disse o imã Feisal Abdul Rauf ao canal CNN.

No entanto, o religioso destacou que o complexo, que inclui uma mesquita e será instalado a duas quadras de onde ficavam as Torres Gêmeas do World Trade Center, deve ser construído.

"Temos que garantir agora que tudo o que fazemos seja para uma paz maior, e não para um conflito maior", declarou.

"Se mudarmos a localização, todos entenderão que os radicais assumiram o controle", insistiu Abdul Rauf, imã em Nova York há mais de 25 anos.

"Os líderes no mundo muçulmano dirão que o Islã está sendo atacado", advertiu, depois de recordar os confrontos violentos provocados pela publicação de charges do profeta Maomé na Dinamarca em 2005.