Washington apoia negociações entre Israel, Síria e Líbano

Agência AFP

WASHINGTON - Os Estados Unidos desejam lançar negociações de paz entre Israel, Síria e Líbano, disse nesta terça-feira o enviado especial de Washington para o Oriente Médio, George Mitchell, antes do início do diálogo direto entre israelenses e palestinos.

"Em relação aos sírios, nossos esforços continuarão centrados em que Israel e Síria iniciem discussões e negociações que levem à paz, e também entre Israel e Líbano", revelou Mitchell à imprensa.

"Vocês lembram que quando o presidente (Barack Obama) anunciou minha nomeação, dois dias após assumir o cargo, se referiu a uma paz global, e a definiu como uma paz entre Israel e os palestinos, entre Israel e Síria, entre Israel e Líbano, e entre Israel e todos os seus vizinhos árabes. Tudo isto segue sendo nosso objetivo".

Sobre o diálogo direto entre israelenses e palestinos, que começará nesta quinta-feira, em Washington, Mitchell qualificou de "realista" a assinatura de um acordo de paz no prazo de um ano.

"Pensamos que isto é realista. Acredito ser possível", revelou Mitchell nas vésperas do encontro em Washington entre os líderes palestino, Mahmud Abbas, e israelense, Benjamin Netanyahu.

"Há gente que diz claramente que isto não é possível e até que as partes não deveriam tentá-lo (...) mas na minha opinião é o melhor para israelenses e palestinos".

"Acredito que podemos defender a ideia clara e forte (...) de uma solução pacífica para acabar com este conflito (...) com a criação de um estado palestino viável convivendo (...) pacificamente ao lado de Israel".

Segundo Mitchell, as duas partes têm "uma janela de oportunidade" inédita para obter uma solução de dois Estados.

O enviado especial também afirmou que Washington manterá um "papel ativo e firme" nas negociações entre israelenses e palestinos, destacando que o presidente Barack Obama está determinado a obter a paz desde o primeiro dia de seu mandato.

"Vamos operar de uma forma razoável e sutil nas atuais circunstâncias, mas haverá uma presença ativa e firme dos Estados Unidos" nas negociações diretas entre palestinos e israelenses.

"Podemos não estar presentes fisicamente em todas as reuniões, mas reconhecemos o valor da discussão bilateral direta entre as partes, e alentamos que ocorra de forma regular".

O presidente Obama "tem muitas, muitas obrigações importantes, mas dá alta prioridade a um acordo de paz global no Oriente Médio".