UE condena atentado que deixou quatro mortos na Cisjordânia

Agência AFP

BRUXELAS - A chefe da diplomacia da UE, Catherine Ashton, condenou nesta quarta-feira o atentado na Cisjordânia que deixou quatro mortos isralenses, afirmando que o bloco europeu não deixará que os "inimigos da paz" imponham sua lei, às vésperas da retomada das negociações diretas entre Israel e os palestinos.

"Condeno fortemente o atentado terrorista" de terça-feira perto da cidade de Hebron contra colonos israelenses, com o qual "os inimigos da paz tentaram fazer descarrilar as negociações de paz para o Oriente Médio", destacou Ashton em um comunicado divulgado em Bruxelas.

"Mas estamos determinados" a não deixar que consigam, e "convoco todas as partes das discussões que se iniciam na quinta-feira em Washington a comprometer-se com determinação às negociações", acrescentou a britânica, pedindo a israelenses e palestinos que mantenham a "calma".

Para a chefe da diplomacia europeia, o ataque "ressalta a urgência de uma solução de dois Estados, com Israel e um Estado palestino independente, democrático, contíguo e viável".

Quatro israelenses morreram na terça-feira em um ataque terrorista reivindicado pelos radicais islâmicos do Hamas perto da colônia judaica de Kyriat Arba, na região de Hebron, dois dias antes da retomada das conversações diretas entre israelenses e palestinos sob os auspícios dos Estados Unidos.