Opositor a Hugo Chávez morre após oito meses em greve de fome

Flávia Marreiro, da Folha de S. Paulo , JB Online

CARACAS - O produtor rural Franklin Brito morreu ontem à noite em Caracas por complicações decorrentes de oito meses quase ininterruptos de greve de fome. Brito protestava pela situação de suas terras que, garantia, haviam sido expropiadas pelo governo Hugo Chávez. As informações são de Flávia Marreiro, do jornal Folha de S. Paulo.

O produtor rural de 49 anos morreu no Hospital Militar de Caracas, onde estava internado por ordem da Justiça e contra sua vontade desde janeiro. "Seguiremos lutando pelas terras", disse à reportagem sua filha, Angela, 20.

Mais tarde, a família, em comunicado, afirmou que Brito será "símbolo e bandeira" dos que lutam contra os "atropelos do poder". Acusaram o governo Hugo Chávez de ignorar as exigências do produtor e vetar assistência médica escolhida por ele.

O caso de Brito se arrastava desde 2005, com várias versões e reações diversas do governo e da Justiça. O produtor rural fez, no período, oito greves de fome e, em 2005, cortou um dedo diante das câmeras de TV.

O governo Chávez diz que não houve expropriação das terras do produtor e que as autoridades fizeram o que podiam para demovê-lo do jejum.

Folha de S. Paulo