México: corpos de brasileiros só serão liberados em 15 dias

Agência Brasil

CIDADE DO MÉXICO - O processo de identificação e envio dos corpos das 72 vítimas de uma chacina na fronteira do México deve demorar, no mínimo, duas semanas. Em entrevista à Agência Brasil, o cônsul do Brasil no México, Márcio Lage, disse hoje que por enquanto 41 corpos foram identificados e apenas um apontado como sendo de um homem brasileiro. Mas Lage afirmou que esse número pode subir considerando a evolução dos trabalhos.

Pelo que as autoridades nos informaram, no mínimo, duas semanas deve durar todo o processo. Há uma série de exames laboratoriais que devem ser feitos, mais a conclusão das autópsias e os laudos. Além disso, há também a parte da burocracia , disse Lage, que foi designado pelo Ministério das Relações Exteriores do Brasil para acompanhar os trabalhos de identificação e transporte dos corpos. Lage aguarda autorização para seguir para a cidade de Reynosa para onde serão levadas as vítimas.

Ontem, o cônsul se reuniu com autoridades do governo do presidente do México, Felipe Calderón, policiais, representantes da Procuradoria-Geral da República e legistas. Também participaram das reuniões diplomatas de Honduras, do Equador e de El Salvador, pois entre as vítimas havia pessoas desses países.

No último fim de semana, os policiais do México informaram que houve uma chacina, na cidade de San Fernando, em Tamaulipas, na fronteira com os Estados Unidos. Segundo as autoridades, 72 pessoas foram brutalmente assassinadas, incluindo crianças e uma mulher grávida.