Los Angeles tem segunda noite de violência após morte de guatemalteco

Agência AFP

LOS ANGELES - A polícia de Los Angeles prendeu 22 pessoas e disparou balas de borracha contra manifestantes, em sua maioria latinos, que protestaram pela segunda noite consecutiva contra a morte de um imigrante guatemalteco em uma ação policial.

Os manifestantes jogaram pedras, garrafas e ovos contra a delegacia de MacArthur Park, uma área próxima ao centro de Los Angeles e que tem uma grande comunidade centroamericana.

As 22 pessoas detidas foram acusadas de reunião ilegal e de não terem se dispersado após o protesto, informou a policial Karen Rayner.

Um dia antes, quase 100 pessoas queimaram colchões e jogaram garrafas contra os policiais, que foram acusados de abuso da força.

Os manifestantes estão revoltados com a morte de Manuel Jamines, um operário da construção civil guatemalteco, de 37 anos e pai de três filhos, que foi atingido por dois tiros na madrugada de domingo.

Segundo a polícia, Jamines estava embriagado e ameaçava os pedestres com uma arma branca. Ele teria ignorado uma ordem da polícia para largar a arma e um oficial abriu fogo.

Os incidentes com as minorias negras e latinas em Los Angeles despertam temores na cidade de Califórnia, que sofreu em 1992 com violentos distúrbios depois que um júri composto quase completamente por brancos absolveu quatro policiais brancos que foram registrados em uma filmagem espancando o taxista negro Rodney King.