Investigadores do massacre no México são encontrados mortos

Agência AFP

CIDADE DO MÉXICO - Os corpos do promotor que iniciou a investigação do massacre de 72 imigrantes no México, incluindo dois brasileiros, e do chefe de polícia da localidade onde aconteceu a matança, foram encontrados nesta terça-feira, três semanas depois do desaparecimento de ambos.

Roberto Jaime Suárez, o promotor investigador, e Juan Carlos Suárez, secretário de segurança do povoado de San Fernando (Tamaulipas, nordeste), estavam desaparecidos desde 24 de agosto, pouco depois de chegarem ao rancho onde, nesse mesmo dia, havia sido descoberta a matança.

Os corpos dos dois foram localizados no município de Méndez, também em Tamaulipas, e junto a eles foram encontradas identificações que permitiram estabelecer sua identidade, segundo a Promotoria estatal em um comunicado.

A Procuradoria-geral havia dito que desconhecia se o desaparecimento estava relacionado com o fato de que foram os primeiros funcionários a chegar ao local do crime cometido pelo cartel de Los Zetas.

No massacre morreram 72 imigrantes do Brasil, El Salvador, Honduras, Guatemala e Equador sequestrados quando tentavam chegar aos Estados Unidos. O rancho onde ocorreu a matança fica a 180 km da fronteira. Apenas um equatoriano e um hondurenho sobreviveram ao massacre.