Estudo alerta para nova onda de terrorismo no Reino Unido

Agência AFP

LONDRES - Centenas de muçulmanos em prisões britânicas poderão desencadear uma nova onda de terrorismo interno, com ataques suicidas individuais difíceis de serem previstos, alertou nesta sexta-feira um prestigiado grupo de estudo, o Royal United Services Institute (RUSI).

"Cerca de 800 radicais potencialmente violentos poderão deixar o sistema penintenciário nos próximos anos depois de terem sido recrutados por ''jihadistas'' nas prisões de alta segurança", afirma o relatório.

Estes indivíduos - fortemente motivados, mas pouco treinados - poderão ser usados de forma solitária num momento em que os terroristas abandonam seus ataques coordenados em grande escala, segundo o centro de estudos.

O documento acrescenta que a Grã-Bretanha é, de todos os países do Ocidente, o mais exposto ao terrorismo interno, e o que reúne mais condições para que sejam realizadas ações desse tipo a qualquer momento.

"As autoridades penitenciárias consideram que a radicalização acontece em grande velocidade", afirma o relatório, intitulado "Terrorismo: a nova onda".

"Talvez cerca de 800 radicais potencialmente violentos que não eram anteriormente culpados de terrorismo voltem à sociedade nos próximos 5 ou 10 anos", acrescenta.

As autoridades penitenciárias acreditam que um em cada 10 presos muçulmanos em prisões de alta segurança seguirá o caminho da radicalização.

Os métodos de ataque são motivados pela emergência de novos líderes da Al-Qaeda, como o clérigo Anwar Al Awlaki, que estão buscando maneiras de organizar ações mais difíceis de detectar pelos serviços de segurança, assinala o estudo.

Awlaki, nascido nos Estados Unidos e radicado no Iêmen, foi acusado de inspirar ataques realizados recentemente por indivíduos isolados, como o tiroteio mortal de novembro de 2009 numa base militar do Texas e a tentativa fracassada de sequestro de um avião que ia para Detroit no dia de Natal.

Os novos voluntários do terrorismo receberiam pouco treinamento e poucos recursos, o que aumentaria a dificuldade da polícia e dos serviços de inteligência de localizá-los e interceptá-los", estima o RUSI.

"Estão reunidas todas as condições para uma série de ataques, que podem começar a qualquer momento", conclui o informe.

Em 7 de julho de 2005, quatro atentados suicidas contra a rede de transporte pública de Londres deixaram 52 mortos, além dos terroristas. Desde então, outros projetos de atentados foram desbaratados no Reino Unido.