Fidel aparece de uniforme no Parlamento pela 1ª vez em quatro anos

Agência AFP

HAVANA - O líder cubano Fidel Castro apareceu de uniforme verde-oliva, neste sábado, no Parlamento, pela primeira vez desde que deixou o poder há quatro anos, devido a uma enfermidade.

A sessão legislativa extraordinária, transmitida ao vivo por emissoras de rádio e televisão, com a presença da imprensa estrangeira, foi solicitada por Castro para falar do perigo de uma guerra nuclear se Estados Unidos e Israel atacarem o Irã.

De pé na tribuna, Castro disse que o presidente dos Estados Unindos, Barack Obama, teria que assumir "sozinho" a ordem de começar um conflito nuclear, mas que "não o fará se estiver consciente disso".

No dia 26 de julho, o pai da Revolução cubana declarou que solicitaria a reunião para advertir sobre a iminência de uma guerra nuclear envolvendo os Estados Unidos, o Irã e Israel.

Trata-se da primeira participação de Fidel Castro, que festejará 84 anos no dia 13 de agosto, numa sessão parlamentar desde a grave doença que o acometeu no final de julho de 2006, obrigando-o a ceder o poder a seu irmão Raul.

Desde que Fidel Castro se afastou do poder, sua cadeira permaneceu vazia nas sessões parlamentares.

Nos últimos tempos, Fidel Castro, dedicou-se, durante a convalescença a escrever "reflexões" sobre a atualidade e suas memórias.

Em texto publicado no site Cubadebate.cu, Fidel Castro intimou na terça-feira o presidente Barack Obama a evitar a guerra nuclear "apocalíptica" que desatará caso ordene um ataque ao Irã.

"O senhor deve saber que está em suas mãos oferecer à humanidade a única chance real de paz. Só em uma ocasião o senhor poderá fazer uso de suas prerrogativas ao dar a ordem de atirar", declarou Fidel.

"Compreendo que não se pode esperar, nem o senhor daria nunca, uma resposta rápida. Pense bem, consulte seus especialistas, peça opinião sobre o assunto a seus mais poderosos aliados e adversários internacionais", expressou, após qualificar a situação de "apocalíptica".

No domingo, o chefe de Estado-Maior conjunto dos Estados Unidos assegurou que um plano de ataque contra o Irã está preparado para o caso de Teerã se equipar com arma nuclear.

"Peço-lhe que se digne a ouvir este apelo que, em nome do povo de Cuba, lhe transmito. Não me interessam honras, nem glórias. Faça-o! (...) A pior de todas as variantes será a guerra nuclear, que já é virtualmente evitável. Evite-a!", concluiu.