Escritor Salman Rushdie apoia Brasil em caso de iraniana condenada

Agência AFP

PARATY - O escritor britânico Salman Rushdie manifestou nesta sexta-feira durante uma feira literária em Paraty (Rio de Janeiro) o seu apoio ao Brasil em seus esforços diplomáticos para tentar salvar a iraniana Sakineh Mohammadi-Ashtiani, condenada à morte por apedrejamento em seu país.

"Ficaria feliz se qualquer nação pudesse ajudar neste caso. Porque isso tem que ser resolvido sem que esta pobre mulher seja executada. Se o governo brasileiro for capaz de ajudar, isso seria uma coisa excelente", disse Rushdie durante uma conversa com jornalistas em Paraty (Rio de Janeiro, sudeste), onde participa de uma feira literária.

Sakineh Mohammadi-Ashtiani, 43 anos, mãe de dois filhos, foi condenada em 2006 por ter mantido uma "relação ilegal" com dois homens, após a morte de seu marido, mas também por "assassinato".

O presidente brasileiro Luiz Inácio Lula da Silva propôs no dia 31 de julho asilo a Sakineh Mohammadi-Ashtiani, um oferecimento apoiado por Washington, mas denunciado pelas autoridades iranianas, para quem a proposta teria sido feita sob emoção.

O próprio escritor britânico de origem indiana também está condenado à norte por uma ''fatwa'' - lei islâmica - lançada pelo aiatolá Ruhollah Khomeini, após o lançamento de seu livro "Versos satânicos" (1989).