Ministro venezuelano confirma eventual suspensão de petróleo aos EUA

Agência ANSA

HAVANA - O ministro venezuelano de Energia, Rafael Ramírez, confirmou que seu país suspenderá todo envio de petróleo aos Estados Unidos se sofrer algum tipo de agressão após o rompimento das relações com a Colômbia.

"Colocamos nossa indústria petroleira em alerta amarelo, que é o passo imediato a uma situação de contingência", declarou o titular, que também lidera a pasta de Petróleo, confirmando as palavras ditas neste domingo pelo presidente da nação, Hugo Chávez.

Ramírez, que participou em Cayo Santa María, 350 quilômetros a leste de Havana, de uma cúpula bilateral Cuba-Venezuela, apontou que seu governo está "pronto para suspender o envio de petróleo aos Estados Unidos se nosso país sofrer algum tipo de agressão militar".

Neste domingo, Chávez cancelou uma viagem à ilha caribenha afirmando ter informações de que existe o risco de que a Colômbia lance um ataque contra seu território, iniciativa que seria promovida pelos norte-americanos.

"Não enviaremos nem uma só gota de petróleo mais aos Estados Unidos" em caso de uma agressão, nem que "tenhamos que comer pedras", declarou o mandatário venezuelano na ocasião. "A indústria petroleira está perfeitamente alinhada com Chávez", completou Ramírez.

Na quinta-feira, Caracas rompeu relações diplomáticas com Bogotá depois de ter sido acusado por representantes do governo de Álvaro Uribe perante a Organização dos Estados Americanos (OEA) de "tolerar" a presença de guerrilheiros em seu território.