Chanceler italiano diz que sanções ao Irã são necessárias

Agência ANSA

BRUXELAS - O ministro das Relações Exteriores da Itália, Franco Frattini, disse hoje que as sanções internacionais contra o Irã são "necessárias" para "persuadir Teerã" a encarar seriamente o início de novas negociações sobre a questão nuclear.

O chanceler falou em sua chegada a Bruxelas, na Bélgica, onde participa nesta segunda-feira do conselho dos chanceleres da União Europeia (UE), que prepara a adoção de um novo pacote de medidas contrárias à nação árabe e que não tem precedentes.

"As sanções não são uma punição, mas o instrumento mais importante" para pressionar o Irã a voltar às mesas de negociação, e não para isolar o país.

Para Frattini, a UE e a comunidade internacional querem com grande determinação a retomada das conversas porque essas iniciativas podem e devem ser percorridas para resolver o impasse referente ao programa nuclear iraniano.

As sanções, assinalou ainda o ministro italiano, representam uma medida "necessária depois da abordagem reticente" "que por muito tempo" caracterizou o comportamento da nação administrada por Mahmoud Ahmadinejad.

Apesar das constantes negativas do Irã, a comunidade internacional acusa o país de usar seu programa nuclear para construir uma bomba atômica. No início de junho, o Conselho de Segurança da ONU aprovou a aplicação de novas sanções em represália ao posicionamento do governo árabe.