ONU pede que Venezuela e Colômbia resolvam conflito no diálogo

Renata Giraldi, Agência Brasil

BRASÍLIA - O secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), Ban Ki-moon, pediu ontem à noite (22) aos governos da Venezuela e da Colômbia que resolvam a crise entre os dois países de forma pacífica. Segundo ele, é possível haver um acordo por meio do diálogo. Ban Ki-moon destacou que é necessário ter moderação para obter a negociação. As informações são da agência de notícias das Nações Unidas.

O secretário-geral espera que as diferenças entre a Colômbia e a Venezuela sejam trabalhadas por meio do diálogo , informa um comunicado divulgado pela ONU. Ele [Ban Ki-moon] pede moderação a todos os envolvidos para que a situação possa ser resolvida de forma pacífica.

A reação dele foi provocada pela decisão do presidente da Venezuela, Hugo Chávez, de romper as relações diplomáticas com a Colômbia. A medida foi tomada depois que o governo colombiano denunciou, em sessão extraordinária da Organização dos Estados Americanos (OEA), a existência de integrantes de guerrilhas em território venezuelano.

O governo Chávez entendeu que o presidente da Colômbia, Álvaro Uribe, o acusava de proteger os integrantes das Forças Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) e do Exército da Libertação Nacional (ELN). Na sessão da OEA, o representante colombiano mostrou fotografias, vídeos e testemunhos para comprovar a existência de 87 acampamentos e 1,5 mil guerrilheiros das Farc e do ELN em território venezuelano.

Na Colômbia, Uribe disse lamentar a decisão de Chávez de romper relações diplomáticas. Uribe convocou uma reunião com o gabinete especial da Presidência para analisar o assunto. No próximo dia 7, ele deixa o governo, encerrando o segundo mandato. O futuro presidente Juan Manuel Santos, aliado de Uribe, disse que não se manifestará sobre o assunto em respeito ao presidente que ainda está no cargo.