Soldado israelense Gilad Shalit completa 4 anos em cativeiro

Agência AFP

JERUSALÉM - A organização Human Rights Watch pediu nesta sexta-feira que o Hamas acabe com o tratamento cruel e desumano dado ao soldado israelense Gilad Shalit, no dia em que o militar completa quatro anos capturado pelo movimento islamita que controla a Faixa de Gaza.

"As autoridades do Hamas estão violando as leis da guerra ao não permitir que Shalit possa se corresponder com sua família", afirma a associação.

Israel marcará a data, soltando milhares de balões amarelos. Também será realizada uma cerimônia em Tel Aviv. Um dos principais jornais israelenses distribuiu fitas amarelas para seus leitores.

Esta semana também foram organizadas manifestações de apoio a Shalit em várias capitais europeias.

No sábado, a família Shalit encabeçará uma marcha de sua casa, no norte de Israel, até a residência do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu, ao longo de 200 km.

O cabo Shalit, de 23 anos, foi capturado durante uma ação realizada pelo Hamas e outros grupos palestinos na Faixa de Gaza em 25 de junho de 2006.

As autoridades acreditam que ele se encontra na Faixa de Gaza. O soldado não mantém nenhum contato com sua família ou com o Comitê Internacional da Cruz Vermelha.