Chávez: quero mais que palavras

Jornal do Brasil

DA REDAÇÃO - Em discurso feito no Equador, no último dia da Cúpula da Aliança Bolivariana para os Povos da América (Alba), Hugo Chávez, presidente da Venezuela, pediu ao colega Juan Manuel Santos, recém-eleito na Colômbia, que retire as tropas dos Estados Unidos de seu país, em sinal do desejo de mudança .

Tomara que o novo governo da Colômbia retire as bases ianques do território sagrado da pátria irmã colombiana acrescentou.

As relações comerciais e políticas entre ambos estão congeladas há meses, sendo o principal causador um acordo militar no qual as forças militares americanas tiveram acesso a sete bases colombianas para o combate ao narcotráfico e ao terrorismo.

Estamos avaliando para ver se o novo governo da Colômbia vai trilhar o caminho do respeito. Mas temos que ver os fatos, e isso não apenas palavras sublinhou.

Bogotá é o principal aliado dos EUA para a região, sendo Caracas seu principal crítico. O governo Chávez teme pela segurança de suas jazidas petrolíferas.

Citando o artigo divulgado sexta-feira por Fidel Castro, ex-presidente de Cuba, Chávez acusou o governo americano de aproveitar as atenções mundiais à Copa do Mundo para enviar tropas a regiões próximas ao Irã.

Enquanto isso, o império ianque já despachou submarinos nucleares, porta-aviões e toda uma frota para cercar o Irã. Fidel está alertando sobre o que considera a quase iminência de uma guerra no Oriente Médio assinalou.

Fidel escreveu que junto às forças navais ianques avançam navios militares israelenses, com armamento igualmente sofisticado, para inspecionar quantas embarcações partem para exportar e importar produtos comerciais que o funcionamento da economia iraniana requer .

As declarações de Chávez chegam no momento de transição de governo, mas não de ideologia, na Colômbia. Santos foi ministro da Defesa do atual presidente, Álvaro Uribe, cuja linha de combate às guerrilhas armadas será mantida.