Indonésia: descoberto plano de atentado contra embaixada da Dinamarca

Agência AFP

JACARTA - A polícia indonésia revelou, nesta quinta-feira, a existência de um plano de atentado contra a embaixada da Dinamarca em Jacarta, provavelmente vinculado com a publicação de caricaturas de Maomé em 2005.

A polícia antiterrorista deteve na quarta-feira Abdullah Sunata, um dos foragidos mais procurados do país, em uma operação na parte central da ilha de Java, na qual morreu outro suspeito e outros dois foram detidos, informou a polícia.

"Existia o projeto de atacar a embaixada dinamarquesa. Abdullah Sunata era a figura principal deste plano", declarou à AFP o ministro encarregado da Segurança, Ansyaad Mbai.

Mbai informou que a polícia examinaria os documentos encontrados durante a operação e considerou provável que o projeto de atentado esteja relacionado com a publicação das caricaturas de Maomé do dinamarquês Kurt Westergaard.

Westergaard desenhou, em particular, a caricatura mais criticada de Maomé, onde o profeta aparece representado com a cabeça coberta por um turbante em forma de bomba, com o pavio aceso.

O desenho fazia parte de doze caricaturas de Maomé, publicadas em setembro de 2005 por Jyllands-Posten, o maior jornal dinamarquês, que no começo de 2006 provocou uma onda de protestos contra a Dinamarca no mundo muçulmano.

A polícia indonésia já procurava há vários meses Sunata, que esteve preso dois anos junto com Noordin Top, considerado um dos estrategistas da onda de violência atribuída à Jemaah Islamiyah (JI), movimento muçulmano radical lançado nos anos 1990 com o objetivo de criar um Estado islâmico na Indonésia. A polícia matou Noordin Top em setembro passado, durante operação antiterrorista.

Após a descoberta, em fevereiro passado, de um centro de treinamento clandestino na província de Aceh (norte da ilha de Sumatra), que poderia estar vinculado à JI, a polícia indonésia celebra uma grande ofensiva antiterrorista.