África do Sul dobra vigilância contra tráfico de seres humanos

Agência AFP

JOHANNESBURGO - A África do Sul, que espera receber cerca de 300 mil visitantes para a Copa do Mundo, dobrou as precauções para impedir o aumento do tráfico de seres humanos e o aliciamento de menores em redes de prostituição durante a competição.

"Estamos conscientes de que um evento desta amplitude apresenta oportunidades para os criminosos, como os traficantes de mulheres e crianças", destacou recentemente o presidente sul-africano, Jacob Zuma.

O Mundial é como "ímã natural para os traficantes que veem o evento como uma oportunidade para ganhar muito dinheiro", acrescentou Virginia Tilley, do Conselho Sul-africano de Investigação em Ciências Sociais (HSRC).

"A demanda por sexo e drogas cresce durante esse tipo de evento de grande porte", enfatizou a analista.

A África do Sul já é um destino privilegiado para as redes internacionais de prostituição, que "importam" as mulheres jovens estrangeiras, com menos chances de portarem o vírus HIV, segundo o estudo do HSRC.

O país africano tem o maior número de soropositivos do mundo, 5,7 milhões de pessoas. De acordo com o único estudo realizado sobre o tema, mais de 45% das prostitutas estão com Aids.

Semana passada, a polícia sul-africana libertou uma jovem de 17 anos de um prostíbulo da Cidade do Cabo.

A África do Sul tem 250 mil crianças morando nas ruas, enquanto outras 40 mil se prostituem, segunda a associação Fair Trade in Tourism South Africa.

Sensibilizadas pelos dados da ONG, as maiores empresas turísticas do país estabeleceram, antes do Mundial, um código de conduta que exigiu a inclusão de cláusulas contra o tráfico de seres humanos nos compromissos com empresas terceirizadas.

Para proteger a população, as autoridades também lançaram campanhas sobre o tema usando o futebol para chamar a atenção dos pais sobre a vigilância dos seus filhos durante o campeonato. Até mesmo as escolas vão ficar fechadas durante as quatro semanas do Mundial, entre a próxima sexta-feira e o dia 11 de julho.