Israel expulsa 50 turcos detidos na 'frota humanitária'

Agência AFP

JERUSALÉM - Um grupo com cerca de 50 turcos detidos durante a operação contra a frota humanitária internacional que seguia para Gaza saiu na madrugada desta quarta-feira da prisão de Beersheva para ser expulso de Israel, informou um funcionário israelense.

"Um primeiro contingente, com cerca de 50 turcos detidos na frota (humanitária), partiu de ônibus da prisão de Beersheva em direção ao aeroporto Ben Gurion (na região de Tel Aviv), de onde será expulso" de Israel, disse à AFP o funcionário.

"No total, mais de 300 turcos devem ser expulsos, e dois ou três aviões estão esperando", destacou o funcionário.

O gabinete do primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, já havia anunciado a expulsão de todos os estrangeiros detidos durante a operação contra a frota humanitária.

A decisão foi tomada pelo gabinete de segurança, presidido por Netanyahu.

Segundo a rádio militar israelense, as últimas expulsões ocorrerão na quinta-feira.

Comandos israelenses a bordo de helicópteros tomaram os navios da frota humanitária em águas internacionais, quando os barcos seguiam com cerca de 600 militantes pró-palestinos e toneladas de ajuda para a Faixa de Gaza.

Segundo o Exército israelense, na operação morreram nove ativistas, a bordo do ferry "Mavi Marmara", o maior dos seis barcos da frota. Sete soldados israelenses também ficaram feridos nos incidentes.

O ataque provocou uma onda de condenações por parte da comunidade internacional.