Amorim critica bloqueio a Gaza e defende investigação de ataque

Claudia Andrade e Evie Gonçalves, Portal Terra

BRASÍLIA - O ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim, afirmou nesta terça-feira que o problema maior relacionado ao ataque israelense a um comboio humanitário não é o ataque em si, mas o bloqueio a Gaza. O ataque, ocorrido na madrugada de segunda-feira, deixou pelo menos nove mortos.

"A origem do problema não está no fato de que uma frota foi levar bens humanitários para Gaza, mas está no fato do bloqueio a Gaza. Esse bloqueio impede que as pessoas tenham acesso a comida, roupa e materiais", ressaltou.

O chanceler destacou que a nota divulgada pelo Ministério das Relações Exteriores "condena veementemente" o ataque realizado em águas internacionais. "Ela não só demonstra preocupação, como condena veemente um ataque a uma embarcação puramente humanitária em águas internacionais".

Falando para senadores na Comissão de Relações Exteriores, Amorim defendeu a investigação internacional, proposta pelas Nações Unidas. "É aparentemente uma violação. Tem que haver uma investigação internacional. Há uma violação não só do direito humanitário, como do direito internacional".

A nota divulgada ontem diz que o governo brasileiro recebeu "com choque e consternação" a notícia sobre o ataque. "Não há justificativa para intervenção militar em comboio pacífico, de caráter estritamente humanitário".