Mundo conde ataque israelense contra comboio de ajuda humanitária

Jornal do Brasil

RIO - Autoridades de todo o mundo condenaram, com veemência, o ataque militar de Israel contra uma frota que transportava ajuda humanitária para a Faixa de Gaza, na madrugada desta segunda-feira. A ação violenta, que deixou pelo menos 19 mortos, aconteceu na véspera de um encontro em Washington entre o presidente americano, Barack Obama, e o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu.

O presidente do Irã, Mahmud Ahmadinejad, classificou a ação como um "ato desumano do regime sionista". "O ato desumano do regime sionista contra o povo palestino e o fato de impedir que a ajuda humanitária destinada à população chegasse a Gaza não é um sinal de força, e sim de fragilidade deste regime", declarou Ahmadinejad.

"Tudo isto mostra que o fim deste sinistro regime fantoche está mais perto do que nunca", completou.

O ministro de Exteriores francês, Bernard Kouchner, disse que nada justifica o uso de tal violência e declarou que está horrorizado. "Não entendemos o objetivo dessa operação contra uma iniciativa humanitária conhecida há vários dias", acrescentou.

A chefe da diplomacia europeia, Catherine Ashton, pediu às autoridades israelenses uma "investigação completa" sobre o ataque e manifestou sua tristeza com o episódio.

A Organização da Conferência Islâmica (OCI) também condenou energicamente o ataque. "Condenamos energicamente o ataque israelense aos navios que transportavam ajuda humanitária para Gaza, que demonstra mais uma vez como Israel ignora a lei internacional e as decisões das Nações Unidas", assinalou o embaixador paquistanês junto à ONU, Zamir Akram.

O governo turco pediu uma reunião emergencial do Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU) após o ataque. O primeiro-ministro Recep Tayyip Erdogan cancelou sua visita à América Latina para retornar com urgência ao país.

A Alta Comissária de Direitos Humanos da ONU, Navi Pillay, também se declarou chocada com a operação executada pelo Exército de Israel.

"Estou chocada com as informações de que a ajuda humanitária enfrentou violência esta manhã, o que provocou morte e ferimentos quando o comboio se aproximava da costa de Gaza", declarou Pillay.

A Grécia cancelou a visita do comandante do Estado-Maior da Força Aérea de Israel, prevista para terça-feira, em consequência do ataque, anunciou o ministério grego das Relações Exteriores.

O vice-chanceler grego, Dimitris Droutsas, convocou o embaixador israelense, Ali Yahya, para pedir informações oficiais sobre as ações do Exército israelense contra a flotilha que seguia para Gaza.

Droutsas comunicou ao embaixador o cancelamento da visita do comandante da Força Aérea prevista para terça-feira, assim como o fim do exercício conjunto dos dois países.

O ministro grego da Defesa, Evangelos Venizelos, ordenou ao Estado-Maior das Forças Armadas o fim do exercício aéreo entre Grécia e Israel em Creta.

Com informações da AFP