Mouin Rabbani, analista jordaniano : Pirataria impune em alto-mar

Evelyn Soares , Jornal do Brasil

RIO - O jordaniano Mouin Rabbani, analista do Middle East Report (Merip), diz que a operação israelense contra a frota humanitária foi um ato de pirataria.

Os ativistas confrontaram Israel quando ameaçaram ultrapassar o bloqueio?

É impossível determinar os fatos do caso, porque Israel evita que a mídia e outras partes interessadas entrem em contato com qualquer passageiro dos navios, além de ter bloqueado os contatos dos jornalistas que estavam no navio. Apesar de Israel já ter inventado histórias quando suas Forças Armadas estiveram envolvidas em assassinatos de civis desarmados, também é preciso considerar a possibilidade de que a versão israelense seja verdadeira. Neste caso, é necessário deixar claro que, de acordo com as leis internacionais, só os soldados atingidos deveriam ter agido em legítima defesa. A mesma legislação não dá a soldados que agem como piratas o direito de apreender navios civis.

O que pode acontecer com Israel diante da comunidade internacional?

Não espero que a comunidade internacional responda à atitude pirata de Israel do mesmo modo que respondeu à atitude de piratas da Somália porque Israel tem o respaldo americano para fazer o que quiser, inclusive roubar passaportes e matar cidadãos de outros países, como a ativista americana Rachel Corrie e outros, sem temer as consequências dessas ações. Será que a mídia e a opinião pública vão gerar pressão suficiente para obrigar seus governos a se oporem ao Estado judeu em vez de apoiarem a pirataria em alto-mar, inclusive contra seus próprios cidadãos? Não estou otimista.

Como os EUA deveriam se pronunciar diante deste incidente?

O governo americano considera que o direito de Israel de assassinar cidadãos americanos excede aquele da obrigação israelense para respeitar leis internacionais. É preciso ultrapassar essa impunidade incondicional conferida a Israel. Israel não age com responsabilidade e comete atividades verdadeiramente criminosas.

De que modo este ataque poderá interferir nas negociações de paz com a Palestina?

Creio que este incidente não terá impacto no processo de paz, que não vai a lugar nenhum há muito tempo.