EUA, França e Inglaterra também criticam ataque a comboio humanitário

Agência AFP

WASHINGTON - Os Estados Unidos lamentam profundamente a perda de vidas humanas depois do sangrento ataque de comandos israelenses contra a frota humanitária em Gaza e indicaram que estâo analisando as circunstâncias em que foi realizado, assinalou a Casa Branca nesta segunda-feira.

O ministro britânico das Relações Exteriores, William Hague, também criticou nesta segunda-feira a perda de vidas humanas no ataque israelense contra a frota humanitária pró-palestina e pediu a Israel que atue com moderação.

Também pediu ao Estado hebreu que ponha fim às "inaceitáveis e contraproducentes restrições impostas às ajudas encaminhadas ao território palestino".

"Há uma clara necessidade de que Israel atue com moderação e de acordo com as normas internacionais", concluiu.

Dezenove pessoas da frota morreram e 36 ficaram feridas durante o ataque realizado por comandos israelenses nesta segunda-feira.

O presidente francês Nicolas Sarkozy também condenou o uso desproporcional da força contra a frota humanitária em Gaza e exigiu que esta tragédia seja esclarecida, segundo comunicado difundido nesta segunda-feira.

"Toda a luz deve ser lançada sobre as circunstâncias desta tragédia, que enfatiza a urgência de reativar o processo de paz israelense-palestino", afirmou o chefe de Estado francês.

O ministério das Relações Exteriores convocou o embaixador de Israel em Paris, Daniel Shek, para pedir explicações sobre o ocorrido.