Para Irã, sanções desacreditam as grandes potências

Agência AFP

TEERÃ - Teerã reagiu nesta quarta-feira à ameaça de um endurecimento das sanções da ONU contra a República Islâmica, acusando as grandes potências de se desacreditarem ao seguirem por esta via, apesar da oferta iraniana de trocar combustível nuclear no exterior.

O Conselho de Segurança da ONU examinou na terça-feira um novo projeto de sanções punindo o Irã por seu programa nuclear, principalmente sua política de enriquecimento de urânio.

Esse exame foi efetuado no dia seguinte ao anúncio feito por Teerã de uma proposta de depositar combustível nuclear na Turquia sob os auspícios de Brasil e Turquia e apresentada como uma primeira etapa para uma solução para a crise nuclear iraniana.

"A questão das sanções está ultrapassada", afirmou Ali Akbar Salehi, diretor da Organização de Energia Atômica iraniana e vice-presidente, acrescentando que "as grandes potências se desacreditam com a opinião pública" ao ignorar a iniciativa de iranianos, turcos e brasileiros.

"Elas sentem que pela primeira vez os países emergentes podem defender seus direitos no cenário internacional sem precisarem das grandes potências, e isso é duro de aceitar para elas", considerou o chefe do programa nuclear iraniano.

"Devemos ser pacientes porque elas (...) não atingirão seus objetivos", acrescentou, esperando que esta nova resolução não seja adotada pelo Conselho de Segurança graças a "pessoas racionais (....) que impedirão uma decisão como esta".

O mesmo discurso foi adotado pelo chefe da diplomacia, Manuchehr Mottaki, para quem "não há chance alguma de que esta resolução seja adotada". "Não levamos estas medidas a sério, as nações que tentam impor sanções eram minoritárias", disse à rede iraniana Al-Alam.

Um alto conselheiro do presidente Mahmud Ahmadinejad considerou que "o que se disse sobre a imposição de sanções ao Irã é ilegal". "Esperamos que decidam ter uma abordagem razoável em direção a um acordo", declarou Mokhtaba Samareh Hachémi.