Maré negra obriga americanos e cubanos a dialogar

Agência AFP

WASHINGTON - As autoridades americanas e cubanas realizam consultas relacionadas à maré negra que se espalha no Golfo do México, indicou nesta quarta-feira uma autoridade americana no momento em que o petróleo está em parte sendo empurrado por uma corrente que poderá levá-lo para a Flórida e para Cuba.

"Posso confirmar que discussões de trabalho estão em curso", declarou um porta-voz do Departamento de Estado americano Gordon Duguid, consultado pelos jornalistas a respeito de um encontro entre as autoridades americanas e cubanas realizado para abordar o vazamento de petróleo.

O porta-voz não pôde precisar quando as negociações começaram, onde estão sendo realizadas e quem está envolvido.

Uma faixa da maré negra do Golfo do México, levada nesta quarta-feira por uma forte corrente marítima que circula em direção aos Keys, arquipélago situado na ponta da Flórida, e que pode chegar ao extremo sudeste dos Estados Unidos, indicou a Agência Espacial Europeia (ESA).

Cuba, que fica localizada cerca de 140 km ao sul da costa americana da Flórida, poderá possivelmente ser atingida.

O país comunista e os Estados Unidos não mantêm relações diplomáticas formais desde 1961. Os americanos mantêm há 48 anos um embargo que condicionam ao respeito aos direitos e liberdades na ilha.

Após uma breve trégua com a chegada de Barack Obama à Casa Branca, a tensão aumentou rapidamente entre os dois países, principalmente após a morte do prisioneiro político Orlando Zapata em fevereiro, em consequência de uma greve de fome de 85 dias.