Wall Street fecha em baixa, e Alemanha ataca especulação

Agência AFP

NOVA YORK - A Bolsa de Nova York fechou em baixa nesta terça-feira, diante dos temores dos investidores de que a Alemanha empreenda medidas contra a especulação em meio à crise que afeta a zona do euro. O Dow Jones perdeu 1,08%, e o Nasdaq, 1,57%.

Segundo dados definitivos de fechamento, o Dow Jones Industrial Avarage caiu 114,88 pontos, para 10.510,95 pontos, e o Nasdaq, composto principalmente por empresas do setor tecnológico, baixou 36,97 pontos, para 2.317,26 pontos.

O índice ampliado Standard & Poor''s 500 caiu, por sua vez, 1,42% (16,14 pontos), para 1.120,80 pontos.

Depois de um início hesitante, os índices da praça nova-iorquina orientaram-se para baixo, após o anúncio de que o regulador alemão dos mercados financeiros pretende proibir algumas operações de venda a descoberto, principalmente envolvendo os títulos de países da zona do euro.

A venda a descoberto, ou "naked short selling", ocorre quando um operador vende um título ou derivativo alugado, esperando que seu preço caia para, posteriormente, comprá-lo e lucrar com a operação.

Nesse contexto, o euro caía a seu nível mais baixo em quatro anos, para menos de 1,22 dólar.

"Muitos operadores não gostam das restrições impostas pelos governos", comentou Marc Pado, da Cantor Fitzgerald. "O fato de a Alemanha querer atuar por conta própria reforça os temores da semana passada: o medo não é de que os países mais frágeis sejam expulsos da zona do euro, mas que os países mais fortes, como França e Alemanha, voltem a ter suas próprias moedas".

"A bolsa agita-se quase todos os dias devido a boas e más notícias sobre a Grécia", afirmou Al Goldman, da Wells Fargo Securities. "A grande incógnita é se a Europa vai provocar uma nova crise financeira mundial e o que isso pode representar para os Estados Unidos."

Em relação aos indicadores macroeconômicos, os dados do setor imobiliário publicados nesta terça-feira nos Estados Unidos apontam para diversas direções. As obras residenciais nos Estados Unidos aumentaram mais que o previsto (5,8% em abril), mas as permissões de construções caíram 11,5%.

O mercado obrigatório subiu. O rendimento dos títulos do Tesouro de 10 anos caiu para 3,376% contra 3,472% na segunda-feira à noite, e os títulos de 30 anos foram para 4,254% contra 4,345%. O rendimento das obrigações evolui no sentido oposto a seus preços.