Mancha negra: empresas se culpam por derramamento

Jornal do Brasil

DA REDAÇÃO - Os executivos da British Petroleum (BP), Transocean e Halliburton, responsáveis pela plataforma Deepwater Horizon que afundou no Golfo do México, se culparam mutuamente terça-feira em audiência na Comissão de Energia e Recursos Naturais do Senado americano convocada para investigar as causas do derramamento de petróleo. O acidente pode se tornar o pior desastre ambiental da história americana. Irritado com a postura das empresas responsáveis pela plataforma que naufragou, o senador republicano John Barrasso declarou que a audiência não ajudará a resolver o vazamento de 800 mil litros diários de petróleo.

Ainda terça-feira, o secretário de imprensa da Casa Branca, Robert Gibbs anunciou via Twitter que Barack Obama deseja dividir em duas partes o Serviço de Administração Mineral agência, que supervisiona os poços de petróleo em alto mar. Atualmente, a agência está envolvida em relações financeiras com as empresas, oferecendo privilégios e negociando contratos de arrendamento ao mesmo tempo em que atua como polícia, na função de conduzir investigações sobre segurança.

Obama planeja separar as funções da agência para que apenas uma delas inspecione e crie regras de segurança para as plataformas, enquanto a outra terá a função de avaliar contratos de arrendamento e cobrar royalties.

A proposta ainda será anunciada formalmente pelo secretário do Interior, Ken Salazar, no Congresso, e reflete a mudança de posição do governo Obama em cancelar concessões de prospecção petrolífera e o esforço para evitar a inevitável comparação com o furacão Katrina, que devastou a região em 2005.

Enquanto ocorrem os tramites políticos, a ONG Matter of Trust, com sede em São Francisco, na Califórnia, faz uma campanha de recolhimento de cabelos e pêlos de animais em todo o mundo. O objetivo é colocá-los em meias de náilon para absorver o óleo que se aproxima das praias.

Cerca de 370 mil cabeleireiros ajudam a organização, além de fazendeiros em todo o país. O Brasil também iniciou uma campanha via Facebook para auxiliar na colheita.

Lisa Gautier, co-fundadora da Matter of Trust, afirmou que o cabelo é um material extremamente eficiente na absorção de todos os tipos de óleos, incluindo o petróleo . A ONG afirma que esta técnica é aprovada pela Applied Fabric Technologies, um dos maiores fabricantes de utensílios para a absorção de petróleo no mundo