Arizona criminaliza a imigração ilegal

Jornal do Brasil

ARIZONA, EUA - A governadora do Arizona, a republicana Jan Brewer, aprovou ontem uma lei que criminaliza os imigrantes ilegais neste estado americano que faz fronteira com o México. A lei, considerada a mais rígida dos Estados Unidos sobre o tema, torna crime residir no Arizona sem documentos migratórios e permite à polícia local pedir os documentos com base em suspeitas razoáveis de que se trate de um imigrante ilegal, o que, na opinião de seus críticos, entre eles o presidente americano, Barack Obama, abre o caminho para a discriminação racial.

A iniciativa, que entrará em vigor no fim do ano, também estabelece sanções contra quem empregar, abrigar ou facilitar a vida de imigrantes ilegais no estado.

Brewer assinou a polêmica iniciativa acompanhada de todo seu gabinete, enquanto milhares de manifestantes protestavam contra a medida diante da sede do governo.

A lei que vou assinar é uma medida de nosso estado que trabalha para resolver uma crise que não criamos e que o governo federal negou-se a solucionar disse a governadora.

O presidente Barack Obama qualificou de irresponsável o projeto de lei, horas antes de sua promulgação.

O povo americano pede e merece uma solução, merece uma reforma migratória integral, baseada nos princípios de responsabilidade e prestação de contas declarou Obama nos jardins da Casa Branca, durante cerimônia de naturalização de estrangeiros que servem nas Forças Armadas. Sem esta solução, abrimos a porta para a irresponsabilidade de outros, como por exemplo, os recentes esforços no Arizona, que ameaçam colocar em risco noções básicas de justiça que tanto apreciamos.

Paralelamente, no México e na Guatemala, as principais forças políticas e porta-vozes de governo condenaram o texto, que a partir de agora afeta em torno de 400 mil cidadãos ilegais majoritariamente hispânicos que vivem no Arizona e que agora poderão ser presos e deportados.

A senadora democrata local, Rebecca Rios, criticou o projeto agora transformado em lei.

A medida não resolve nossos problemas de imigração e apenas exacerba a crise fiscal do estado mediante o aumento dos custos com prisões e com a aplicação da lei. disse.