Governadora do Arizona pode aprovar lei polêmica contra imigrantes

Agência AFP

LOS ANGELES - O Senado do Arizona aprovou na noite de segunda-feira um projeto de lei que criminaliza os imigrantes ilegais, com a apresentação de proposta considerada a mais dura feita nos Estados Unidos sobre o assunto. O projeto aguarda, agora, a assinatura da governadora republicana Jan Brewer que, segundo seus simpatizantes, apoia a medida.

O Senado desse estado fronteiriço com o México, no sudoeste dos Estados Unidos, aprovou a iniciativa republicana por 17 votos contra 11.

A proposta, conhecida como lei 1070, permitirá à polícia local determinar o estatuto migratório com base em "suspeitas razoáveis".

Isso demonstra que "o governo federal precisa atuar com rapidez em relação à reforma migratória", disse o senador democrata do Arizona Jorge Luis García, em um comunicado.

Calcula-se que no Arizona vivam em torno de 400.000 imigrantes ilegais, que de acordo com essa lei poderão ser presos e deportados, entre outras medidas que também criminalizam as pessoas que tiverem vínculos com eles.

"Esse projeto de lei abre as portas, também, à discriminação racial", completou García.

A senadora democrata local, Rebecca Rios, reagiu. "A medida não resolve nossos problemas de imigração e apenas exacerba a crise fiscal do Estado mediante o aumento dos custos com prisões e com a aplicação da lei", disse Rios.

Desde a segunda-feira, centenas de defensores dos direitos dos imigrantes, ativistas e religiosos iniciaram uma vigília em frente a sede do governo do Arizona, em Phoenix, para pedir à governadora Brewer que vete o projeto.

A lei propõe também castigar toda pessoa que contrate um cidadão ilegal ou que ajude a transportá-lo de um lugar a outro.

Segundo a imprensa de Phoenix, a governadora evitou pronunciar-se sobre o assunto que está levantando polêmica nos Estados Unidos. "Asseguro a vocês que farei o que acredito ser correto, portanto, cada um será tratado justamente", disse no domingo, num pronunciamento na Câmara de Comércio Hispânica do Arizona.

Por ser um estado fronteiriço, o Arizona conta com uma grande população hispânica, de maioria mexicana, que contou com empregos estáveis nos últimos anos devido à expansão do setor imobiliário e de serviços, que convocaram mão de obra barata em benefício do empresariado assentado legalmente no país.

Para a União de Liberdades Civis do Arizona (ACLU, da sigla em inglês), a iniciativa do Arizona aumenta "a preocupação acerca da prolongada detenção de cidadãos e residentes legais", muitos deles de origem hispânica, presos no passado apenas por suspeitas levantadas por suas características físicas.

Chris Newman, diretor da entidade National Day Laborer Organizing Network, pediu que a governadora Brewer vete o projeto de lei qualificado por ele como "odioso e insensato", afirmando que o Arizona "foi por longo tempo um laboratório de experimentações anti-imigrantes".