Farc rejeitam convite do governo para dialogar fora da Colômbia

Agência AFP

BOGOTÁ - A guerrilha colombiana das Farc indicou ter recebido e rejeitado uma proposta do governo de Alvaro Uribe para dialogar no exterior, de acordo com um comunicado divulgado nesta terça-feira pela agência de notícias Anncol.

Em sua declaração, o Secretariado (liderança) das Farc rejeita uma suposta carta de 5 de março do alto comissariado de Paz do Executivo, Frank Pearl, "propondo negociações diretas, secretas, com agenda aberta e no exterior".

O governo de Uribe ainda não se pronunciou sobre o comunicado do grupo rebelde.

Em seu comunicado de três pontos, as Farc acrescentam: "Queremos insistir em nossa posição de que diálogos como este que é proposto pelo governo devem ser feitos na Colômbia e na frente do país.

No texto, os líderes das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) lamentam que a proposta "tenha chegado a apenas quatro meses da mudança de governo e que, pouco depois de recebida, o presidente tenha afirmado categoricamente que seu governo não vai conversar com a guerrilha".

E concluem reiterando que "as portas das Farc permanecem abertas". As Farc mantêm em seu poder 22 militares e policiais, alguns deles há mais de 11 anos, e propõem que sejam trocados por cerca de 500 guerrilheiros mantidos em prisões do país e do exterior.

Uribe disse que não se opõe à troca, mas que os rebeldes liberados devem desistir de combater, situação que as Farc rejeitam.