Carla Bruni tenta acabar com boatos sobre casamento com Sarkozy

Agência AFP

FRANÇA - A ex-modelo e cantora Carla Bruni, primeira-dama de França há dois anos, tem atuado pessoalmente para tentar acabar com as falhas de comunicação da equipe presidencial a respeito dos boatos sobre seu casamento com o chefe de Estado, Nicolas Sarkozy.

"Estes boatos são insignificantes e não têm importância para nós", declarou Bruni na quarta-feira à rádio francesa Europe 1, após a resposta do entorno presidencial sobre boatos que circulam há várias semanas.

Bruni, 42 anos, que se casou com Sarkozy em 2 de fevereiro de 2008, negou a existência de uma conspiração contra ela e o marido, de 55 anos, em uma intervenção pública que para o jornal Liberation mostra que "a presidência de bulevar continua".

"Não há complô. Não há vingança. Isto não nos afeta e viramos a página há tempo", declarou Bruni antes de negar a existência de uma investigação policial para determinar a origem dos rumores.

"Não há nenhuma investigação policial. É inimaginável", afirmou a primeira-dama da França, contrariando as afirmações do chefe da Direção Central de Inteligência Interna (DCRI, contraespionagem), Bernard Squarcini.

"No início de março (...), o diretor geral da polícia nacional, Frederic Pechenard, pediu uma investigação virtual para chegar ao ponto de partida e descobrir se era possível determinar a fonte dos boatos", disse Squarcini.

Tudo começou no início de março, dias antes das eleições regionais, quando um blog dentro da página do Le Journal du Dimanche (jdd.fr) afirmou que, segundo rumores mundanos parisienses, o casal Bruni-Sarkozy passava por dificuldades.