Calma em fronteira venezuelana depois de distúrbios por colombianos

JB Online

CARACAS - A situação voltou à normalidade em Táchira, estado venezuelano fronteiriço com a Colômbia, depois que contrabandistas do vizinho país provocassem distúrbios e o fechamento de algumas cruzamentos, informou hoje a Guarda Nacional Bolivariana (GNB).

De acordo com o general de brigada da GNB, Franklin Márquez, os problemas surgiram a raiz da detenção de 10 cidadãos neogranadinos capturados em flagrante enquanto sacavam produtos da cesta básica e combustíveis.

Grupos dedicados ao contrabando bloquearam a ponte Francisco de Paula Santander, que enlaça Ureña e Cúcuta, e o Simón Bolívar, entre San Antonio de Táchira e o próprio Cúcuta, em resposta à detenção em solo venezuelano de indivíduos envolvidos no

tráfico de leite, azeite e gasolina, apontou.

Em declarações a Venezuelana de Televisão, Márquez explicou que as afetações nas passagens foram desde entrada a noite desta quarta-feira até as primeiras horas da madrugada de hoje.

Os 10 colombianos capturados já estão a disposição da Promotoria, a qual será a encarregada das atuações posteriores, explicou. Segundo o general, a GNB realiza fortes operativos para impedir a extração desses e outros produtos.

Muitas pessoas vêm da Colômbia através de quase uma centena de pontos para tratar de contrabandear, e ao ser surpreendidas aqui ficam sujeitas a nossas leis e procedimentos, apontou.

Márquez garantiu a observância do respeito aos direitos humanos dos detentos. O governo venezuelano esfriou as relações comerciais com Bogotá, a partir do visto bom dado por Álvaro Uribe à instalação de sete bases militares estadunidenses em

território neogranadino, bem como pela especulação que empresas colombianas introduziram nos vínculos bilaterais.

(Prensa Latina)