Washington desaprova invasão do Parlamento da Tailândia

Agência AFP

WASHINGTON - O porta-voz da Diplomacia americana desaprovou nesta quarta-feira a invasão do Parlamento tailandês por manifestantes, ressaltando seu respeito à liberdade de expressão.

"Respeitamos o direito à liberdade de expressão", declarou Philip Crowley: "Contudo, entrar à força nos prédios do governo não é um modo conveniente de protestar".

"Todos têm o direito de se reunir e de manifestar pacificamente, mas esperamos que as divergências possam ser resolvidas nas instituições democráticas, e não pela violência", acrescentou.

O primeiro-ministro tailandês Abhisit Vejjajiva, pressionado por manifestantes que invadiram nesta quarta-feira o Parlamento exigindo a sua renúncia, decretou estado de emergência em Bangcoc e em suas imediações, prometendo acalmar a situação no país.

É a quarta vez desde 2008 que a Tailândia, país politicamente instável, recorre a esta medida de exceção, que proíbe qualquer concentração de mais de cinco pessoas e permite que as forças de segurança efetuem prisões sem precisar de autorização da justiça.