Em discurso para a comunidade judaica, Hillary não poupa Israel

Jornal do Brasil

WASHINGTON - A secretária de Estado americana, Hillary Clinton, pediu segunda-feira a Israel que faça escolhas difíceis, mas necessárias pela paz, no primeiro dia de uma visita a Washington do primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu. As relações entre Estados Unidos e Israel se degradaram fortemente em razão da recusa israelense em evitar estender a colonização judaica em Jerusalém Oriental, território reivindicado pelos palestinos.

Em um discurso realizado na reunião anual da Aipac, influente grupo de lobby pró-Israel nos EUA, Hillary insistiu que os assentamentos israelenses comprometem o clima de confiança, o diálogo de paz e o papel de mediador dos Estados Unidos.

Elas (as novas construções) expõem divergências entre Israel e os Estados Unidos, algo que outros na região podem querer explorar alertou Hillary. Isso prejudica a capacidade singular da América de exercer um papel no processo de paz, papel esse que, vale acrescentar, é essencial.

A secretária enfatizou a visão de Washington de que o status quo entre Israel e os palestinos é insustentável, e que estaria complicando muitos outros objetivos políticos dos EUA na região, incluindo seus esforços para conseguir formar uma frente unida contra o programa nuclear iraniano. Após o discurso, Hillary se reuniria a portas fechadas com Netanyahu, que também discursaria na Aipac. Terça-feira, o premier israelense será recebido pelo presidente Barack Obama.

Sob pressão americana, Netanyahu aceitou fazer gestos de boa vontade com o objetivo de relançar as negociações com os palestinos. No entanto, o primeiro-ministro não abre mão da colonização em Jerusalém Oriental, que não teve a sua anexação por parte de Israel em 1967 reconhecida pela comunidade internacional. No domingo, Netanyahu disse apenas que evitaria, no futuro, colocar os Estados Unidos em uma posição complicada com anúncios intempestivos de planos de colonização.

A séria crise diplomática com Washington eclodiu com o anúncio da construção de 1.600 casas em um bairro judeu de Jerusalém Oriental, em plena visita do vice-presidente Joe Biden ao país, em meados deste mês.

Fogo amigo em Gaza

Um soldado israelense morreu segunda-feira ao ser atingido acidentalmente por tiros efetuados por seus colegas próximo à Faixa de Gaza quando interceptavam suspeitos palestinos, disse um porta-voz do Exército israelense, acrescentando que uma investigação foi aberta para averiguar as circunstâncias do acidente.

Três palestinos desarmados foram presos quando tentavam cruzar a barreira de segurança no mesmo setor, na Faixa de Gaza, ao que parece para trabalhar clandestinamente, segundo um canal de TV israelense. Dois foguetes disparados por palestinos da região também atingiram segunda-feira o sul de Israel sem causar danos ou mortes.

Mitchell pede calma antes da retomada das negociações

O emissário americano para o Oriente Médio, George Mitchell, reuniu-se segunda-feira em Amã com o presidente palestino, Mahmud Abbas, para tentar lançar as negociações indiretas de paz entre israelenses e palestinos. Mitchell exortou ambos os lados a observarem um período de calma, a fim de retomar as negociações, colocadas em risco pela disputa em Jerusalém Oriental.

O emissário americano disse que Abbas expressou preocupação com a crescente onda de violência na Cisjordânia ocupada, mas que ainda está otimista de que as discussões indiretas, conhecidas como conversas de aproximação , entre os dois lados comecem em breve.

Discutimos uma ampla série de questões, incluindo nosso desejo em comum de começar as conversas por proximidade o mais cedo possível de uma forma que esperamos que levem às negociações diretas acrescentou o americano.

No último fim de semana, o Exército israelense matou a tiros dois palestinos de 19 anos que, segundo os militares, tentaram esfaquear um soldado em patrulha nas proximidades de Nablus, o que elevou para quatro o número de palestinos mortos nessas circunstâncias nos últimos três dias.

Abbas foi citado pela agência de notícias palestina Wafa advertindo os israelenses sobre as repercussões da violência que tem exacerbado tensões. Segundo informou a Wafa, Abbas pediu que os israelenses não nos arrastem para o que não gostamos .

A região da Cisjordânia vive há semanas uma onda de distúrbios, enquanto na Faixa de Gaza, continuam sendo lançados mísseis contra solo israelense. Diante dessa situação, todos os olhares estão postos na reunião de terça-feira, em Washington, entre Barack Obama e Benjamin Netanyahu.

Última cópia privada da lista de Schindler será leiloada

A única cópia particular, das sete existentes, da famosa lista de Oskar Schindler, que salvou dezenas de judeus dos nazistas, será leiloada por US$ 2,2 milhões, anunciou segunda-feira seu proprietário e especialista em documentos históricos, Gary Zimet.

A lista elaborada por Schindler e seu contador Itzhak Stern, com os nomes de 801 judeus e suas respectivas datas de nascimento e ofícios está dada de 18 de abril de 1945 e tem 13 páginas, segundo Zimet.

Existem sete versões da lista, das quais apenas quatro sobreviveram. Um dos documentos se encontra no Museu do Holocausto dos Estados Unidos, outro nos arquivos federais alemães e outro no Museu Yad Vashem de Israel, afirmou Zimet.