Chega a SP o primeiro voo comercial vindo do Chile após terremoto

Portal Terra

SÃO PAULO - O primeiro voo comercial vindo do Chile após o terremoto de 8,8 graus na escala Richter que atingiu o país, chegou ao Aeroporto Internacional de Guarulhos, em São Paulo, à 1h40 desta quarta-feira, segundo a Infraero. A chegada do avião JJ9381 da TAM estava prevista inicialmente para a 1h. A aeronave A320 tem capacidade para 156 passageiros, segundo o site da companhia aérea.

O embaixador do Chile no Brasil, Álvaro Díaz, disse que partiram nesta madrugada, de São Paulo, voos da companhia TAM para o aeroporto da capital chilena, que voltou a operar nas últimas horas. A companhia aérea LAN também informou na segunda-feira que reiniciará hoje, de maneira restrita, suas operações nacionais e internacionais no aeroporto de Santiago, atingido pelo forte terremoto do fim de semana no Chile.

Pelo menos mil chilenos que estavam impossibilitados de voltar para casa devem deixar o Brasil, de acordo com a Embaixada do Chile. Eles aguardam desde a última sexta-feira voos com destino a Santiago, que foram suspensos devido aos danos causados pelo terremoto que atingiu parte do país.

Voos charteres com capacidade não confirmada devem sair de Camboriú (SC) entre hoje e quinta-feira. Díaz explicou que os passageiros retidos no Brasil precisam ter paciência e compreender que todos os esforços estão concentrados no atendimento às vítimas do terremoto.

- Os chilenos têm que entender que a prioridade é atender as vítimas da catástrofe, coordenar a ajuda humanitária. A segunda tarefa é ajudar os turistas chilenos a voltar -afirmou.

A estratégia da embaixada é convencer as companhias aéreas a aumentar o número de voos. O embaixador reconhece o problema da falta de alojamento e de alimentação adequada para quem está retido em aeroportos, mas pede compreensão e solidariedade.

No Aeroporto Internacional do Galeão, no Rio de Janeiro, cerca de 70 chilenos estão alojados desde o fim de semana. Os passageiros receberam mantas das companhias aéreas e doações para comprar comida.

Durante reunião de mais de duas horas com o cônsul do Chile no Rio de Janeiro, Horácio Del Valle, os representantes dos passageiros pediram reforço nas negociações com as companhias, ajuda para comprar comida, informações sobre as áreas devastadas pelo terremoto e auxílio para organização de uma lista de embarque com prioridade para quem tem parentes nesses locais ou deveria ter embarcado no fim de semana.