Brasil envia dois aviões com hospital de campanha ao Chile

Portal Terra

SANTIAGO - Duas aeronaves C-130 da Força Aérea Brasileira decolaram em direção ao Chile nesta quarta-feira transportando militares brasileiros e 18 t de equipamento do hospital de campanha da Marinha que será montado para auxiliar na prestação de socorro às vitima do terremoto naquele país, segundo informou o Gabinete de Segurança Institucional (GSI).

Uma das aeronaves decolou às 13h40 com 32 militares do hospital de campanha da Marinha e cerca de 9 t de carga. A outra aeronave decolou às 17h, levando 34 militares e mais 9 t de carga.

Segundo estimativas do GSI, o transporte de todo o hospital de campanha deve ser concluído em seis viagens. As aeronaves farão ainda o transporte de brasileiros que estão em território chileno.

O gabinete informou ainda que dois helicópteros da FAB, tipo H-60, já iniciaram deslocamento em direção ao Chile.

Tragédia no Chile

Centenas de pessoas morreram após o terremoto de 8,8 graus na escala Richter registrado na madrugada de sábado (27) no Chile. A contagem de corpos passa de 700, e o número de afetados chega a 2 milhões, segundo o governo. A presidente Michelle Bachelet declarou "estado de catástrofe" no país.

O tremor teve epicentro no mar, a 59,4 km de profundidade, na região de Maule, no centro do país e a 300 km ao sul da capital, Santiago. Por isso, foi enviado um alerta de tsunami ao chile, Peru e Equador. Segundo fontes oficiais, o terremoto aconteceu às 3h26 pelo horário local (mesmo horário em Brasília). O número de vítimas mortais e de feridos pode aumentar.

Efeitos do estrago

Os danos materiais do terremoto ainda estão sendo avaliados. O muro de uma prisão veio abaixo com o abalo sísmico, o que causou a fuga de mais de 200 detentos na cidade de Chillán, a 401 quilômetros de Santiago. O aeroporto internacional de Santiago chegou a ser fechado devido a alguns danos em suas instalações, e várias pontes ficaram danificadas. A luz e o serviço de telecomunicações estão cortadas na região metropolitana e em Valparaíso foram registrados danos internos em edifícios. Os bombeiros correm as ruas de Santiago com megafones dando instruções à população.

Em alguns lugares, falta água potável. Pelo menos três hospitais na capital desabaram e na cidade de Concepción, cerca de 400 km ao sul de Santiago, o edifício do governo local desmoronou e pacientes estavam sendo transferidos dos hospitais, segundo rádios chilenas.