Radicado no Rio, fotórafo do JB conta o drama de familiares no Chile

André Balocco, JB Online

RIO - Álvaro Riveros, 35 anos, é fotógrafo profissional e colaborador fre--lancer do Jornal do Brasil, onde participa principalmente da coluna de Heloísa Tolipan. Riveros está há 11 anos no Brasil, onde constituiu família e teve dois filhos. Aqui, ele conta o drama que vem vivendo desde a madrugada de sábado, quando soube do terremoto de 8,8 graus na escala Richter em seu país:

"Trabalhei a noite toda de sexta-feira, cheguei em casa por volta das 4h e, como de hábito, liguei o rádio na Band News, quando ouvi sobre o terremoto que havia devastado meu país. Surtei imediatamente e só pensava em me comunicar com meus pais e irmãos, mas não havia nada aberto e tive de ficar no desespero até às 8h30. Nesta hora, abriu a lan house ao lado de minha casa e lá entrei para tentar contato.

Mas não consegui, evidentemente, pois não havia energia lá por conta do terremoto. Vim para o jornal. Fiquei muito assustado, pois meus pais moram na região de Temuco, ao sul do Chile, uma das mais atingidas pelo tsunami. Novamente não consegui conexão com ninguém.

Só no domingo recebi uma mensagem de uma amiga que mora em Valparaíso, na qual ela me confirmava que meus familiares estavam todos bem, mas que minha família havia perdido a casa. Mas meus familiares estão todos com saúde e isto é o que mais importa.

Ainda não consegui falar com nenhum parente, pois assim que me conecto com eles na internet, ela cai imediatamente. Mas depois do e-mail, consegui falar com minha amiga que, através de sua web-cam, me mostrou a devastação. O povo está desesperado.