ONU pede que Egito pare de atirar em imigrantes

Agência AFP

GENEBRA - A alta comissária da ONU para os Direitos Humanos, Navi Pillay, pediu nesta terça-feira que o Egito pare de atirar nos imigrantes que tentam entrar ilegalmente em Israel, o que provocou a morte de 60 pessoas nos últimos dois anos.

Navi Pillay pediu também que seja realizada uma investigação sobre os procedimentos das forças de segurança egípcias na região.

- Esta situação é lamentável, e o elevado número de vítimas leva a crer que pelo menos algumas autoridades egípcias de segurança praticaram uma política de 'atirar para matar' - considera Pillay em um comunicado, acrescentando que "60 mortos dificilmente poderia passar por um acidente".

A maioria dos imigrantes que tentam passar do Egito pela fronteira para Israel vem da África subsaariana, principalmente Eritreia, Sudão e Etiópia, segundo a ONU.

- O governo egípcio deveria ordenar imediatamente as suas forças de segurança que utilizem apenas suas armas estritamente de acordo com as convenções internacionais - pediu a alta comissária.