Grupo do Rio manifesta solidariedade ao governo chileno

Agência ANSA

CIDADE DO MÉXICO - O Grupo do Rio expressou hoje solidariedade ao governo chileno pelo terremoto de 8,8 graus na escala Richter que atingiu o país no último fim de semana, matando ao menos 723 pessoas.

Em um comunicado publicado pelo Ministério das Relações Exteriores do México, nação que exercia a presidência temporária do organismo, o Grupo do Rio lamentou as mortes e os danos materiais ocasionados pelo tremor.

Também foram enviadas condolências aos familiares das vítimas e votos "para a recuperação da normalidade neste país irmão".

O órgão ressaltou ainda que "se mantém atento às necessidades urgentes do Chile diante da magnitude da emergência".

O Grupo do Rio é formado por Brasil, Argentina, Bolívia, Chile, Colômbia, Costa Rica, Equador, El Salvador, Guatemala, Guiana (representando os países da Comunidade do Caribe/Caricom), Honduras, México, Nicarágua, Panamá, Paraguai, Peru, República Dominicana, Uruguai e Venezuela.

O fórum foi criado no Rio de Janeiro em 1986 com o objetivo de ampliar a cooperação política entre seus membros e apresentar soluções para crises internas.

A última reunião do organismo ocorreu na semana passada, entre os dias 22 e 23 de fevereiro, no balneário mexicano de Cancún. Na ocasião, o Chile recebeu a liderança do Grupo do Rio do México.

O terremoto ocorreu na madrugada de sábado e foi seguido por mais de cem réplicas. A cidade de Concepción, que é a segunda maior do país, e a região do Maule foram os locais mais atingidos.

Em Concepción, que fica na região de Bío Bío, a 500 quilômetros da capital Santiago, a população está saqueando mercados em busca de alimentos e água, mesmo com a ampliação do toque de recolher.